Vampiros e Tritões no Pauper Standard

Post Image
13 de outubro de 2017. Decks, Pauper Standard

Na semamana passada mostramos duas listas básicas de dinossauros e piratas, e discutimos como elas poderiam ser usadas como ponto de partida para a construção de decks competitivos no Pauper Standard.

No post de hoje vamos fazer o mesmo com as tribos de vampiros e tritões.

Mas um ponto importante entretanto, é que há menos cartas dessas duas tribos no formato, quando comparadas com as do post anterior.

Enquanto temos cerca de 17 cartas (criaturas e outras mágicas) de piratas e dinossauros, temos somente 10 de vampiros e tritões.

E essa diferença parece estar diretamente relacionada com o Lore do bloco de Ixalan.

Em geral, a primeira edição de um bloco faz a ambientação do plano. Isso pode inclusive ser observado em Kaladesh e Amonkhet.

Já a segunda é mais focada no desfecho da história que está sendo contada no plano, como podemos ver em Revolta do Éter e Hora da Devastação.

Então faz todo sentido, que Ixalan seja mais focada em dinossauros e piratas, que ambientam o plano, e que Rivais de Ixalan seja mais focada em vampiros e tritões, que vão dar o tom do desfecho do Lore. Aqui estamos especulando um pouco sobre a próxima edição.

Toda essa análise, claro, faz mais sentido do ponto de vista do Pauper Standard, pois no Standard tradicional, temos tanto tritões quanto vampiros muito fortes, que tendem a deixar as quatro tribos mais equilibradas.

Dito isso, vamos às duas listas que preparamos esta semana, começando com a de vampiros.

Essa lista já foi antecipada no nosso post sobre as cartas brancas, azuis e pretas de Ixalan e a estratégia principal por trás dela é travar um combate franco com o seu oponente, de modo que enquanto ele apenas tira os seus pontos de vida, você tira os pontos de vida dele, mas recuperando os seus.

A ideia é jogar pra frente, pressionando constantemente o oponente e forçando-o a cometer erros.

A base de mana é extremamente simples. Planície e Pântano na proporção das cores das mágicas e Terras em Desenvolvimento para ajudar a corrigir as cores.

Note que com apenas duas cores e uma curva média em torno de 2, essa lista pode jogar com apenas 20 terrenos, o que aumenta a chance de comprar mais mágicas ao invés de terrenos, conforme o jogo avança.

Das criaturas, Soldado do Bispo e Gato Sagrado (que nem é vampiro) são os únicos que possuem vínculo com a vida diretamente.

Paladina da Mancha‑de‑Sangue é um 3/2 por 4 manas, mas que compensa essa curva criando uma ficha de vampiro com vínculo com a vida ao entrar em campo.

As fichas de vampiro, e o próprio Gato Sagrado embalsamado, interagem com Sacerdotisa da Unção, que além de ser um excelente bloqueador na curva 2, ainda proporciona mais ganho de vida cada vez que uma ficha entra em campo.

Diácono Ungido é uma criatura um pouco cara no deck, mas que tem uma interação muito forte com vampiros, já que ele pode dar +2/+0 para um vampiro no início do combate.

Aqui uma opção muito interessante é dar +2/+0 para uma ficha de vampiro, fazendo com que ela ataque como um 3/1 com vínculo com a vida. Isso provavelmente vai forçar o seu oponente a gastar uma remoção ou trocar um bloqueador razoável por uma ficha sua, algo que é facilmente reposto pelo deck.

A última criatura é o Para‑coração Deslizante, que além de ser um bom drop 1, também age como uma remoção do deck, graças à sua capacidade de ganhar toque mortífero.

O deck faz bastante fichas de vampiro com vínculo com a vida usando Incumbência da Rainha, interagindo ainda mais com Sacerdotisa da Unção.

Em seguida ele traz uma lista de truques sujos para fazer com que as trocas com o oponente sejam cada vez mais desfavoráveis para ele.

Começamos com Zelo Vampírico, que é um excelente truque de combate para os seus vampiros, pois além do +2/+2 eles ganham iniciativa, algo que pode ser bem ruim para as criaturas do oponente.

Ímpeto de Vitalidade é figurinha carimbada em muitos decks desde o seu lançamento há um ano. Ela dá +1/+0, indestrutível e vínculo com a vida para uma criatura, podendo ser usada tanto como truque de ataque quanto de defesa, especialmente quando usada no Para‑coração Deslizante.

Temos ainda a excelente Resistência Sobrenatural, que combina especialmente bem com Paladina da Mancha‑de‑Sangue, garantindo uma troca sem perdas e ainda fazendo mais uma ficha de vampiro quando a paladina entrar em campo novamente. Sem falar que ela é muito boa junto com as outras criaturas do deck ao causar trocas desproporcionais para o oponente.

O deck confia no combate para obter a supremacia do campo de batalha, então ele trabalha com poucas remoções diretas. São duas cópias de Julgamento da Legião e três de Destruir os Fracos.

Completam a lista as duas cópias de Manopla-tocha, um equipamento com boa relação custo-benefício e que combina muito bem com a temática do deck, especialmente quando anexado às fichas de vampiro.

Os tritões de Ixalan são nas cores azul e verde, uma combinação que já tem um dos decks mais fortes do formato, o UG Energy. Ainda assim dá pra explorar algumas opções bem sinérgicas na tribo.

A ideia da lista acima é obter a supremacia no campo de batalha por meio de criaturas que crescem graças a marcadores +1/+1, combinadas com as cártulas.

A base de mana é muito semelhante à do deck anterior, contendo Ilha e Floresta na proporção básica das mágicas, seguidas por Terras em Desenvolvimento para corrigir as cores.

Nas criaturas, temos um intruso na turma, o Bandar Surrupiador. Ele está aqui somente pelo fato de poder transferir os seus marcadores para outras criaturas, o que resulta em situações interessantes, como veremos mais adiante.

Incursor das Selvas é um drop 1 que não é completamente inútil se entrar mais tarde no jogo, pois ele pode consumir as manas não utilizadas para crescer com marcadores.

Aprendiz de Moldador abre a fila da força aérea, pois além de ser um drop 2 razoável, também ganha voar na presença de outros tritões.

Graças à sua habilidade explorar, Trilheira de Tishana ajuda a manter o deck fluindo ao comprar um terreno extra ou manipular o topo do grimório.

Ainda na curva 3, Tecedora de Armadilhas Aquáticas é capaz de tirar do caminho um bloqueador por até dois turnos seus (e um atacante no próximo turno do oponente), ajudando a obter a supremacia numérica no campo de batalha, mesmo que temporariamente. Ela seria excepcional se Ardil da Sirena não interagisse apenas com piratas.

Já na curva 4 temos dois excelentes candidatos a serem portadores das cártulas, Guardião de Jade e Escultor de Tempestades.

O primeiro também interage com marcadores e ainda tem resitência à magia.

Já o segundo, além de atacar impunemente por ser imbloqueável, ainda tem interações interessantes com as criaturas que tem efeito quando entram no campo de batalha, como Trilheira de Tishana, Tecedora de Armadilhas Aquáticas, o próprio Guardião de Jade e até mesmo o Bandar Surrupiador.

O deck confia na supremacia de suas criaturas no campo de batalha, então naturalmente as remoções são baseadas nelas. São três cópias de Cilada e três cópias de Cilada.

Além disso, Bênção dos Arautos do Rio e Mergulhar podem se mostrar surpresas desagradáveis para o seu oponente durante o combate.

Sempre com mais de uma função, a Cártula do Conhecimento vem tanto pra ajudar na supremacia aérea, quanto para fortalecer uma criatura e ainda manter o deck fluindo.

E seguindo nessa linha também temos Implemento de Ferocidade que além dos marcadores, mantém o deck comprando e seguindo em frente.

Conclusão

Apesar de atualmente estarem em desvantagem em relação às outras tribos, os vampiros e tritões também tem alguns truques na manga pra se manter relevantes.

Os vampiros tentam ser agressivos enquanto usam o vínculo com a vida para atrasar o oponente na tarefa de te matar.

Eles exploram bastante a sinergia do restante do deck com as suas fichas, mas diferente de um deck tradicional de fichas, ele não tenta ganhar com "enxame", mas sim tirando proveito individualmente de cada uma.

Dentre as principais razões pra isso, podemos citar o fato de Graça Emprestada não estar mais entre nós e Em Nome de Oketra não ser tão eficiente com vampiros.

Vale ainda manter um olho em Ataque Inspirado e Guarda do Acampamento, apesar dos custos envolvidos.

Já os tritões tentam se impor no campo de batalha com um fluxo contínuo de criaturas, confiando nelas para remover as ameaças do oponente e ganhar o jogo.

E o fluxo contínuo do deck é mantido graças ao Implemento de Ferocidade e às interações entre as criaturas, como Escultor de Tempestades junto com Trilheira de Tishana e Tecedora de Armadilhas Aquáticas.

Em ambas as listas, os decks não conseguem se manter apenas com criaturas da tribo mas eles exploram ao máximo as sinergias que são possíveis.

A expectativa que fica é que com o lançamento da próxima coleção, ambos os decks podem ficar muito mais fortes do que eles são capazes hoje.

Artigos relacionados:

No post de hoje trazemos para vocês o deck que tornou o Renato Silva obsoleto e foi a sensação das últimas rodadas da Liga Deck Store Modern

A temporada de Dominaria já está chegando ao fim. Confiram as datas dos últimos eventos da Liga Deck Store e preparem os seus decks para a grande decisão

Terça-feira é dia de Brawl, e no post de hoje trazemos uma lista que reúne os melhores veículos e pilotos de Kaladesh e será capaz de te colocar no topo do pódio do Brawl.

Sexta-feira é dia de maldade e no post de hoje temos um deck Pauper Standard que vai tirar os oponentes do sério

No post de hoje trazemos um deck Pauper Standard capaz de mostrar que simplicidade não significa ser inofensivo